2010 | Bang Bang Escrevi

Então é Natal?

24 de dez de 2010
O peru está na mesa? A hipocrisia nas cadeiras.

Pessoas que não gostam uma das outras se reúnem para celebrarem o não sei o quê, porque na verdade todo o espírito e verdadeiro significado do Natal são esquecidos.
Feriado cristão, que celebra o nascimento de Jesus, mas quem nasce é o panetone e o espírito é o de ganhar presente e sair de recesso do serviço. O consumismo tornou todos os feriados - a maior parte deles cristãos – em temporada de compras, as lojas enchem as vitrines com produtos fúteis e as pessoas saem desesperadas atrás de coisas que na verdade elas não precisam. Toda essa movimentação superaquece o mercado, deixando os empresários felizes e os sonhos esquecidos. Para as crianças é o máximo ganhar presente, mas às vezes uma tarde com o pai jogando cartas, passeando em um parque são bem mais emocionantes do que simplesmente ganhar um super boneco de ação que vai prender a atenção dele durante 3 horas.
As pessoas por outro lado, só se reúnem nessa data. Ninguém é a favor de ser família, mas se tem comida? Hum. Oba! Vamos lá! É quase desrespeitoso falar dessa maneira, mas considerando meu histórico, para mim é completamente normal, basta dar meia-noite e pronto! Abraços e tapinhas nas costas comem soltos. Sem falar nos cochichos sobre a vida das pessoas.  Não sou a favor nem do contra, apenas não apoio esse tipo de atitude. Tá olhem escandalizados, eu não ligo para olhares assim como a “família” que eu tinha não se importava em ser hipócrita.

Tirando todos os problemas que rondam o Natal, se é que resta Natal, espero que o papai Noel ainda passe em muitas casas, como a de crianças abandonadas, que pouco tem para se divertir e ganhem uma bola, mesmo que seja de plástico, um carrinho, ou bonecas de pano. Para quem pouco tem a imaginação é infinita.

Para todo o resto deixo minhas condolências.

Saiba a verdade

11 de out de 2010
Quer saber a verdade... 
Eu quero que F...
A minha roupa amarrotada 
A minha calça repetida 
O meu cabelo bagunçado 
As minhas unhas mal feitas 
O meu tênis velho 
Quer saber... 
Eu quero que você saiba 
Que quem eu sou 
Você nunca descobrirá 
Se continuar se importando 
Com o que só pode se ver 
E quer saber 
Eu quero que... 
F... 
Esse maldito sistema 
O presidente 
E toda a câmara de deputados. 
Eu quero meus direitos 
Por que sou direito 
E não perco os eixos 
Quero ser soldado 
Quero ser guerreiro 
Quero que a justiça seja feita 
Que os pássaros voltem a cantar 
E as crianças voltem a sorrir...
"O povo teme seu governo mas o governo é que deveria temer seu povo."
("V"- V de Vendetta)

Erros

10 de out de 2010
O que é o amor?
Amor é amor seja ele como for
Se num existe a gente inventa
E se num der certo
De novo a gente tenta
O que importa é estar perto
De coração sempre aberto
Vai ser naquele abraço
Que talvez você encontre o laço
Naquele sorriso
Você encontre o motivo
E por mais misterioso
Que o amor possa ser
Você nunca vai ter certeza se realmente amou
Mas, sempre vai lembrar se chorou
E quando termina
O fim ainda traz a rima
De que ao amor seja ele como for
Sendo ele o amor
Ele com certeza algo mudou
E você mais experiente ficou
Experiência que não vale nada
Porque em um novo amor
E por mais que a gente tente
Os mesmos erros sempre se repetem.

Eterna escola

As horas passam
Enquanto eu escrevo
Deixo de prestar atenção
No que é meu
Esqueço dos meus medos
Deixo a vida passar
Como o dia
Que busca a noite
Como a noite
Que busca a lua
Como a lua
Que busca o sol
Sem parar
Sem pensar
Vou seguindo
Até cansar
Sento-me para se recuperar
E continuo a acreditar
Que a vida é assim
Uma escola sem fim.

Eleições, lixo e sustentabilidade.

27 de set de 2010
Nos últimos dias tenho notado o aumento de número de propagandas eleitorais espalhadas pela cidade, fico chocado ao ver que em uma praça com três arvores, existem 30 cartazes de um mesmo político, que existem casas com a fachada completa da mesma propaganda etc.

E o pior nem são as propagandas abusivas é a falta de atenção das pessoas já que os políticos se elegem por nomes, essa parte é difícil de entender, por isso vou contar uma historinha...
Era uma vez...
Um pai político, que fez coisas por uma região, até manda atualmente cartões de aniversário, Páscoa, Natal e todos os outros feriados possíveis, ele tinha um super nome, é legal ter sobrenome de comida eu acho... é igual Leite para crianças. Hoje esse mesmo pai político, elege seus dois filhos com o seu nome e as pessoas não veem isso. É pura falta de Estima, toda essa palhaçada.
Voltando a falar das propagandas abusivas... As vuvuzelas (por enquanto) acabaram, porém vieram às carreatas, com carros de som e microfones, e todos aqueles papéis voando. OPA! Não existe uma tal lei chamada "Cidade Limpa" esqueceram dela? (e ainda reclamam comigo por causa de um papel de bala) Sujando a cidade, parando o trânsito, tirando toda paz e tranquilidade de quem não tem nada que ver coma campanha eleitoral.

Os Promessometrôs (termo nem um pouco novo na política brasileira) controlando a massa, fazendo-os acreditarem em coisas que não irão acontecer. Sem falar nas Sub-celebridades que ganham a eleição por pura e insolente fama. Qual o problema em pesquisar um candidato, encontrar um que seja sério? E que leve a política a risca, afinal "pior do que tá não fica!"

O resultado de toda essa brincadeira é uma montanha de lixo acumulado, logo a primeira medida que os governadores devem tomar é cuidar de criar planos de ação para evitarem enchentes, já que entupiram todos os bueiros e bocas de lobo da cidade. Como ser sustentável dessa maneira? E como levantar a bandeira da sustentabilidade em uma campanha? Que tal não fazê-la? Não precisa gostar de política ou ler milhares de livros para votar consciente (lembra da Copa do Mundo? que tal ser patriota agora?), basta saber que todos os acontecimentos dos quatro seguintes anos são inteiramente dependentes de quem você elege hoje. Então se você planeja viajar, preocupe-se com a inflação e o dólar. Se o seu filho está em idade de ensino técnico ou universitário, preocupe-se com os investimentos na educação. Se a sua mãe tem problemas de saúde e o sistema de saúde pública só poderá atendê-la daqui três meses, você realmente deveria se preocupar, não? Por que eu, quando voto penso principalmente no que é NECESSÁRIO mudar e, não no que é PRECISO ser feito. Necessidades vêm antes dos desejos, você por um acaso deixar de comprar o gás, para comprar chocolate? Pense nisso!

Necessário é tudo aquilo que os políticos não fazem para sempre terem o que prometer.

Palavras de Mestre

21 de set de 2010
Acordei e não tinha a menor idéia de como me surpreenderia com meu dia.

Hoje é o dia da árvore e exclusivamente por esse motivo a Empresa Google realiza o Doodle 4 Google, onde crianças aprendem conceitos sobre ecologia e sustentabilidade e depois aplicam os conhecimentos na Logo marca do Google e depois dos alunos terem feitos os seus desenhos eles vão para a prática onde plantam uma muda de árvore com os organizadores. A infraestrutura é espetacular e a atenção coma galerinha é surpreendente. Mas, não é por esse motivo que venho até aqui.

No auditório onde foram introduzidos os conceitos sobre ecologia, inesperadamente apareceu um escritor que tem milhares de fãs. Dos antigos aos novos, sem exceção. Os antigos contam suas histórias e os novos se encantam com elas. Estou falando nada menos do que do Ziraldo. Uma pessoa que nunca deixou de ser criança. Super simpático e atencioso com as crianças. No meio da surpresa ele resolveu abrir-se para perguntas feitas pelo auditório, imagine que tipo de perguntas pode fazer uma criança entre 8 e 10 anos. Tívemos perguntas como: "Qual foi sua primeira história?" "Qual a sua melhor história, sem valer o Menino Maluquinho?" Durante as perguntas ele ria bastante e se encantava com as crianças dizendo que 9 anos é a melhor idade. A grande pergunta veio de uma menina de 9 anos (claro né?) que questionou o início da vida literária de Ziraldo. Sim, ela perguntou como ele começou a escrever. E ele respondeu:
"Na sua idade eu tinha uma professora que não ensinava nada! Ela trancava a porta, sentava no lugar dela e lia romances, sabe aqueles de banca de jornal? E pra gente ele dava gibis. Que segundo o padre da igreja ali do bairro, era pecado ler gibis, porque falavam de guerra, greve e essas coisas. E porque era proibido, ai que a gente gostava mesmo. Um dia a gente pediu pra que ela lesse os romances dela pra gente, e não é que a gente gostou? Ai toda aula a gente revezava e cada um lia um pouquinho - E o Ziraldo dizia para as professoras 'não ensinem nada, deem livro pra essas crianças'. E exatamente por causa dessa professora eu comecei a escrever. E quando eu tinha por volta de 18 anos a galera da minha idade dominava a cidade, porque éramos os pensadores, os leitores, e isso, nos tornavam diferentes".
E terminou dizendo.
"Estudar é bom e ajuda, mas o mais importante é ler. Professores deem livros para os seus alunos e não ensinem nada. Porque como você vai explicar para uma criança o que é objeto direto ou indireto, se objeto é uma coisa que eles não podem tocar? Você vê alguém falando 'Gosto você', 'Mãe gosto você'. Ninguém fala assim, e a criança não sabe se que o verbo é transitivo direto ou intransitivo. Então ensinem as crianças a lerem".
Acho que ouvir isso me deu um pouco do gosto de ser criança e da minha vida antes da gramática, eu me sentia um milhão de vezes mais livre para escrever do que atualmente, sinceramente travo com todas aquelas nomeações para uma mesma frase. Não acredita então imagina decorar isso: Sujeito, predicado, núcleo, objeto direto e indireto, oração coordenada, oração subordinada, coordenada sindética e assindética, verbo transitivo direto, transitivo indireto, transitivo direto e indireto, adjunto nominal, advérbio adnominal e todo os restos que os gramáticos usam para se separarem das pessoas comuns. Eu odeio gramática, sim ela ajuda, mas eu a odeio.

E ouvir um mestre da literatura dizendo que o importante é dar assas a imaginação, foi um empurrão para o retorno a antiga vida. Tenho que trabalhar esse isolamento cerebral, onde esqueço da maldita pra apenas escrever, e escrever por prazer, como antigamente fazia. 



Palhaços

7 de set de 2010
Sabe o vento... Aquele que sopra para todos os lados?
Invejo-o. Tenho vontade de sumir como ele some
De pegar outra direção e mudar a história.
Qual é o maior desafio para um palhaço?
É tentar não mostrar para o mundo,
Que atrás dos olhos que brilham
Esconde-se um precipício de angustias.
Não mostrar que atrás das cambalhotas
Está um mundo que gira sem sentido,
Que busca ferozmente uma resposta.
Dizer sem falar nada
Que ele é treinado para fazer malabarismo,
Mas que por detrás do equilíbrio habilidoso
Existe uma pessoa maravilhosa
Que tem como única certeza
Saber que sua felicidade
Vem das risadas de sua platéia.
Porque o espetáculo é um momento íntimo
Que ele aproveita para fazer as pessoas felizes.
Respeitável público! Que comece a algazarra,
Que todo o mal vá para o raio que o parta
Mesmo não sendo, todos os palhaços, felizes...
Todo o resto faz parte da brincadeira.

Sonho de Menina

15 de ago de 2010
Estarei nas sombras dos seus passos
e na dor da ponta de seus dedos.
Onde quer que esteja
e independente da bailarina que seja!

De longe irei te aplaudir,
quando seu tutu no alto sacudir
e de coração na mão vou ficar
quando de olhos fechados você voar.

Quero que ponhas sua alma nisso,
que dance sempre como se fosse a última vez
libertando toda sua expressão, explodindo de emoção
em pequenos passos no chão.

Dance como se o palco não tivesse limites
E toda a platéia inexistisse
Essa é a esperança que em ti ponho
Acreditando que enorme é o tamanho do seu sonho.

[Ps. Agradecimento especial ao momento de inspiração que obtive lendo um post da May Lopez e se não for abuso, por ter reoubado a imagem do perfil dela tambem, hihi.]

Mais um copo

Ei garçom, desce mais uma nessa mesa
tira de mim toda essa tristeza
leva esse copo amargo e vazio
e traz outro cheio e frio

eu não aguento mais tanta hipocrisia
escrever pra falar de vida
amanhecer com tédio
porque a rotina me feriu

Essa dependência química de adrenalina
viver aos extremos para encontrar rima
faça dessa a última reunião
me traz também um sabonete e um esfregão

quero lavar essas almas mortas
de gente que não sabe o que quer
aceitando caminhos para o que der e vier
querendo viver certo em linha torta

A torta do desprezo social
sem mudar os rumos, a vida igual
se todos com essa rotina se conformam
porque ficar mexendo com os que se acomodam

Quem realmente quer, não precisa do meu empurrão
basta um grito, surge uma ação
de minoria que fácil enfrenta
o medo que nos atormenta

Ainda assim volto a dizer
A todos que o caminho é amar
porque pra morrer...
basta vivo estar.

Pedra de Gelo

13 de ago de 2010
Não cometas um engano,
mantenha a mão entre a pele e o pano
aperte, belisque, arranhe
até que um gemido ganhe

quero ver os meus lençóis amarrotados
as roupas todas de lado
o teu, meu corpo nu
Aço fundido em fogo azul

de voz tremula e olhos fechados
dedos nas costas, cerrados.
o corpo ganha vida...
não consegue ficar parado

ah! esse pudor despido
O amor concebido
entre o calor da respiração
e uma pedra de gelo derretido

Que oportuna entre dentes
pelo corpo escorregou
trazendo arrepios ardentes
quando a pedra na nuca tocou

Não perde tempo anda!
desce-te as mãos pelas minhas costas
crava tuas unhas nessa fome carnal
Morde-me as orelhas, o pescoço

enquanto minha barba fazes a tu cócegas
Esses pelos grossos e ansiosos
que por ti esperaram
uma semana inteira

Sem Controle

11 de ago de 2010
Acho que alguém aqui está errado
Ou será precipitado? Não interessa
Alguém tinha que tomar uma atitude
De que maneira o sentimento surge?
No dia que alguém explicar
Decepcionado irei ficar
Sempre acreditei que fosse assim
De um jeito especial
Onde ninguém pode contar o fim
Quer saber a verdade?
Nenhuma história começa pela metade
Tudo acontece no seu tempo
Devagar ou rápido como o vento
Nós seres humanos podemos escolher
A velocidade em que tudo pode acontecer
Pode ser amanhã, depois ou agora
Em um piscar de olhos
Ou no decorrer de uma hora
Pode ter sido um deslize qualquer
Ou ter sido você mulher
Queria poder me controlar
Em você parar de pensar
Eu sei é difícil de acreditar
Mas o que você acha da gente sonhar?

Aquela velha criança

2 de ago de 2010
Quem você é na frente de um espelho a pessoa ou o reflexo? Você sabe que é a pessoa, mas pode perder-se acreditando que é o reflexo, o que diferencia as imagens é a capacidade de interpretá-las. Quando não lidamos com nossos monstros, automaticamente somos o reflexo, a operação necessária para fazer o quadro virar começa com retalhos de sua personalidade a-firmando-lhe que você é mais material do que o seu reflexo. A poesia escrita começa assim, não são mais do que momentos de profunda reflexão que se tornam retalhos de certeza e incertezas, conflitos e soluções um toque de realidade e muitas indignações.
Era uma vez uma criança...
Que foi abandonada e todos os porquês acabaram. As diversas formas de interpretar uma simples coisa desapareceram e sua manei-ra de ver o mundo mudou completamente, mas pobre da criança que enxergava tudo como uma coisa nova sempre. Virou um adulto rabugento que resmunga de tudo que é difícil para ele, mas que adora a facilidade de se acomodar com tudo que lhe vem fácil. Tornou-se um político que elabora planos complexos de como resolver os problemas, mas que nunca os colocará em prática porque isso o tiraria da sua confortável poltrona de conformidades.
O costume de ser criança vem do hábito de prestar atenção nas coisas vistas além dos limites de nossa própria imaginação.

Enigma

20 de jul de 2010
Instintos a flor da pele
Sorriso sincero
Os homens ficam a desejar
E os olhares te acompanham onde quer que vá
Caminhar sedutor
Passo após passo avassalador.
Menina hora mulher,
Mas que sempre sabe o que quer.
A contradição de inocência e malícia.
Aquilo que você quer, ela não
E quando quiser,
Mesmo quem não quer,
Não irá resistir ao seu jeito de mulher.
Você pode desistir
Ou morrer tentando resistir.
Basta um momento você vacilar
Para ela te conquistar.
Naquele sorriso, olhar, jeito de andar
Ou até mesmo no modo de pensar.
Parece lenda, rumor ou mito?
Não se iluda meu amigo.
Essa mulher existe
Se você perceber que em você ocorre um incêndio
Ele se originou de uma faísca
Jóia rara
Pedra de ouro maciça.
Seu nome:
Um segredo.

Veludo

15 de jul de 2010
Ei jovem moça, encontro-me agora aqui, nas proximidades da sua cansada respiração ofegante, pedindo, suspirando querendo mais alguns momentos, essa agonia, esse medo, esses novos horizontes, seu corpo despido e meus cabelos em suas mãos, jovem, jovem, Ninfa! Cuidado com seus desejos, eles podem propositalmente se realizar, posso voltar a te acariciar, tocar-te. Beijar-te e morder-te, trocar o escorregar das mãos por saliva e deliciar-me em seu corpo, medir cada declive e acabar em vales de néctar. Posso mostrar-me insaciável e sedento, posso ser curioso igual criança e descobrir todos os seus sabores e querer brincar com todos os seus brinquedos, gabo-me com tão pouca experiência, e tão defasada, mas a suficiente para te fazer tremer, deixar seu quadril incontrolável que mais parece querer fugir do que se arriscar a ficar. Tontear-te enquanto morde os lábios e rompe o silêncio que nos cerca com gemidos e inspirações entre dentes inundadas de prazer.
Enquanto o veludo dos meus lençóis são amarrotados e o seu corpo se arrepia, voltar-te com minhas mãos frias as tuas curvas e deixar-te em paz para que possa se recompor  e voltar para sua vida monótona e cheia de rotinas ansiando retornar para dizer entre suspiros que comigo o tempo cria assas e que esquece o mundo. Sou um paralelo, uma fuga.

Sons

13 de jul de 2010
Como uma música, livre sendo reproduzida pelo ar, invadindo ouvidos, tocando mentes, sintonizada e me sintonizando onde você estava. Por parecer, solene e inofensiva, cheia de acordes, versos e rimas que ao tilintar das cordas, enfeitiçava.
Música, de momentos e cada momento recheado de amor, dúvida ou felicidade, que por incrível que pareça, eram tão duradouros quanto a letra, ah! A sua letra, que insistia em ficar na memória... Indo, voltando, tornando a ir e permanecendo de vez, depois de me arrancar o sossego de uma noite de sono.
Quantas vezes não pensei, e tão poucas as que desejei; as suas notas preenchendo as lacunas da minha partitura, o seu ritmo no compasso das batidas do meu coração e os seus sons no pé do meu ouvido, assim, e simplesmente assim insistindo em me transformar em um instrumento solo qualquer, que espera o maestro para começar seu espetáculo.

Sorrir, crescer e mudar

9 de jul de 2010
Um dia, uma noite,
Um olhar, um momento.
Um pouco de juízo pra ficar atento.
Balançar, estancar sentimento.

Morena, seduziu, cresceu.
Viveu, brincou, sofreu.
Apareceu, conquistou, eu.
Eu, você, você, eu. Eu. Eu.

Me confundiu, tentei fazer ficar, partiu,
superou, venceu, sorriu
cresceu, creceu, cresceu.
Venceu, venceu, venceu.

Esqueceu e abandonou o pior.
Seduz, vive melhor.
Hoje sorri pra quem quer
Virou mulher.

Falando de amor

25 de jun de 2010
Amores podem ser duradouros como uma liga metálica ou breve como o respiro de vida das borboletas que dura apenas 24 horas.
O ser humano tem manias de guardar tudo, desde uma entrada no cinema a uma tampa de caneta porque julga que pode esquecer um dia e através de objetos assim pode lembrar-se de tudo que já viveu. Mal sabem os seres, o quanto isso é real. Mexendo em coisas do passado, em caixas, armários e frestas do guarda-roupa – lugares assim deviam conter avisos do tipo: Mantenha Distância – encontrei no meio de um monte de papéis, velhas fotografias de um amor que foi perdido. Perdido pelo tempo e pela falta dele. Esses momentos congelados no tempo e no espaço, castigadas pela eternidade a guardarem as expressões felizes de cada face sofrendo apenas a perda de sua pigmentação.
Algumas fotografias possuíam rabiscos dizendo “com carinho”, “eu aprendi muito com você”, “eu te amo”. Enquanto lia essas histórias mal escritas ou resumidas ao extremo para caberem no espaço de uma foto, lembrei dos momentos em que essas fotos tinham sido tiradas. A recordação do sentimento me foi instantânea e veio como uma bala de revólver disparada tão próxima de mim, que deu pra escutar o barulho do gatilho quando foi puxado. Logo, tão logo, uma pergunta: O que aconteceu com todo esse sentimento? É meus caros, o doce e o amargo de um amor, a cara e a coroa que mesmo tão próximas nunca vão se tocar.
O sentimento tende com o tempo a ruir naturalmente, se dispersar pelo ar, segundo após segundo, depois de cada respiração. A principal certeza da existência desses amores são essas lembranças, elas ativam algum mecanismo que se esconde dentro da gente, esperando gemidos de dor, como se torturassem cada pedaço do coração e dessem no cérebro choques tentando ressuscitar amores que dizemos estarem mortos. Mortos eles nunca estarão, quanto a presença deles é possível dizer que é nulo. Nem mesmo o tempo apaga um amor, podem se passar anos e anos, esquecer por alguns momentos, mas ao mexer em lugares onde guardamos as memórias da nossa vida podemos nos deparar com fotografias, cartas ou tickets de meia-entrada de cinema que nos farão ter, sem querer, a nostalgia daquilo que já passamos.
Quanto aos novos amores e a domesticação da mente, o falso domínio de situações e a acomodação de um novo ser, esses são processos necessários para anularem a existência de um passado, seja ele distante ou próximo, permitindo que você possa ter com alguém, aquilo que já viveu com outro. O amor nada mais é do que isso, a permissão da entrada de outra pessoa em sua vida, se acomodando e te tornando tão dependente do que ela faz você sentir quando está por perto que em momento algum quer deixá-la partir, mesmo sabendo que ela retornará.

1/2=1

14 de jun de 2010
“Eu quero a sorte de uma amor tranqüilo com gosto de fruta mordida...”
Quem dera eu ter um amor assim
Coisas tão complicadas que sempre chegam ao fim
Viver matando-se a cada instante
O carinho e a mordida de um amor sufocante

Nossos amores tão diferentes
Embalados por pequenos textos em mensagens
As velhas fotografias sorridentes
Pelos cantos aqueles narizes de palhaço
E na memória as horas demorando-se em abraços.

Esperar pelo simples fato de esperar
Ter o amor dividido com outro
Acabar tendo que contentar-se com o pouco
Amar querendo ser amado e sem querer amar só
E por fim acabar vendo toda a esperança tornar-se pó

No final descobrir que de fato o amor estava ali
Presente o tempo todo tentando se tornar real
Durou sem questionar o tempo que foi possível
Tornando se extremamente necessário
E a decepção inevitável.

Um dia esse amor irá partir
Sem deixar carta ou recado de despedida
O tempo vai passar as coisas irão mudar
Levando junto tudo que era seu
Dizendo simplesmente, adeus.

A outra metade

5 de jun de 2010
O querer, por querer bem
conhecer o mundo e ir além.
Até porque, pensando bem
existe coração que não é de ninguém
Descobrir que é aqui
e que o aqui é agora.
Não há lugar melhor para procurar do que lá fora.
Conhecer alguém e se entregar
doar-se muito mais do que venha a receber.
Dormir e acordar
E nem se quer por um segundo esquecer.
Sonhar, e sonhar acordado.
Sentir gritante a ansiedade
e morrer diagnosticado de saudade
Viver longos dias de solidão.
Eternos momentos de gratidão.
Ser outro ser,
e esse em você permanecer
Em lacunas da memória
cravar linhas e linhas de história.
Nas moradas noturnas
romper barreiras.
Superar desafios
e fazer o amor arder em calafrios
Abraços  apertados, contentes.
Bocas felizes, sorridentes.
Mas, por hora
permita-me a partida
tenho que encontrar sem demora
a outra metade da minha vida
Porque, onde tinha um hoje tem dois
e o resto, bom o resto... fica pra depois.

Menina veneno

4 de jun de 2010
Ah! Essas mulheres que roubam olhares, que deixam qualquer homem apaixonado. Venenosas, adentram as entranhas do ser e proliferam-se até se tornar o único motivo para o dia, a tarde e a noite.
Atordoam, arrancam noites de sono, tiram a fome e a sede, fazem a vida pulsar, pulsar de tal modo, e tanto, que seu primordial objetivo é plena virtude de cuidar para que isso não termine brevemente.
Falam baixo e em tons encantadores, deixam lençóis amarrotados por todos os cantos e por todo o homem. Independentes e convictas de seu amor, e sim, dele elas sabem e muitas vezes pouco se importam. Já passaram pela dor de amores assim, que soavam perfeitos e tornaram-se, caos.
Hoje crêem apenas na vida e no que ela pode oferecer. A vida essa senhora de idade e experiente, que não nega bronca nem sorriso a qualquer ser que lhe permita um abrigo interior. Uma faísca de ousadia ou completa insanidade.
Certas mulheres, essas na sua vez têm todo o direito de fazer um homem sofrer, chorar... sentir o gosto do seu próprio veneno. Podem sem receio, encostar a cabeça em seus travesseiros de paz interior e ter uma noite tranquila de sono, até porque todo menino – homem que não cresceu – devia nas esquinas da vida onde brincou e nas avenidas de corações partidos onde outrora esquecera seus brinquedos, encontrar uma mulher assim, para aprender a homem de verdade ser.
O amor não serve de pilha para carrinhos de controle remoto.

Seja você mesmo

18 de mai de 2010
Não se preocupe com seus defeitos
Não tente mudar o jeito que você é,
Não tente se enquadrar no perfil de uma pessoa.
Se valorize.
Não abaixe a cabeça a ninguém.
Não caia na conversa de qualquer um.
Desabafe quando for preciso
Mas com a pessoa certa
Se precisar de ajuda
Peça a quem confia
Se quiser conquistar alguém
Seja romântico,
Seja carinhoso,
Tenha imaginação e,
Seja criativo.
Não seja clássico e,
Só improvise.
Deixe o sentimento nascer
Se apaixone mais vezes,
Faça novas amizades,
Conte segredos.
Brinque com os outros,
Tire um barato da vida,
Sonhe mais,
Mais os tire do papel,
Os torne realidade
Consiga o que quiser,
É só querer
E ter força de vontade
Não se iluda com os obstáculos
Na vida têm muitos
Uns são fáceis
Outros mais difíceis
Mas não desista, siga até o fim
Não se renda
Se, se render
Não desista,
Siga em outros sonhos
Viaje em novas aventuras
Mas nunca mude o seu jeito de ser
Sempre seja você mesmo
Por que é isso que te torna
Diferentemente especial.

Aniversários

10 de mai de 2010
Aniversários são datas engraçadas, todo dia tem um. Até quando o ano é bissexto tem alguém lá, no dia 29 de fevereiro comemorando o nascimento, o legal disso é que nos outros anos a pessoa comemora antes.
Dias de aniversário são cheios de acontecimentos. Nunca vi aniversário sem chuva, telefones que não param de tocar e gente chegando de tudo quanto é lado para te abraçar. Mas, pra mim aniversário tem um conceito errado.
A palavra aniversário vem do latim (alguma novidade nisso?), Anniversarius, Annus que siginifica ano e Vertere, voltar, ou seja,  aquilo que volta todos os anos. A gente comemora  a data que a gente nasceu. E não quando realmente fizemos um ano. Tá complicado né? Assim eu nasci dia 10 de maio, mas pra mim eu já possuía 9 meses, meu primeiro ano seria dia 10 de agosto, mas não, as pessoas teimam em zerar a contagem, e aquele tempo todo não valeu de nada, aquele primeiro momento e a luta pela sobrevivência simplesmente não contaram? Ainda tem mãe que vira e diz: “te esperei nove meses”.  E daí? Começou a contar a partir do dia que eu nasci e não desde a fecundação.
E com a popularidade das redes sociais hoje em dia e a facilidade de acesso, existem aqueles recados hipócritas de pessoas que mal falam com você e dão uma passada rápida pra dizer parabéns. É estranho isso, e o mais estranho é que as pessoas pouco se importam e aceitam isso numa boa. Como se desse algum tipo de aceitação social ou status.
Deixando essa indignação social de lado, vamos falar do que realmente importa, os amigos. Melhor presente que podemos ganhar. Abraços, beijos, abraços, abraços. Sentir saudade daqueles que estão muito longe para aparecem, reconciliar-se com os antigos que outrora pararam de se falar por uma discussão qualquer, Ah! Amigos a família que podemos escolher.
Se não para vocês? A quem eu dedicaria isso? Bons amigos, são aqueles que nas areias do tempo, não se dispersam no deserto, aquela corrente de grãos que vive do simples e sorri do bobo. Que chora por um fazendo todos chorarem. E que por mais que o tempo passe e as tempestades cheguem, nunca deixam desamparados aqueles que sabem  que podem confiar.

Borboleta

6 de mai de 2010
Nos seus olhos eu vejo um brilho
de uma borboleta que quer voar.
Sem destino, rumo a qualquer lugar.
Buscando achar um coração
onde possa pousar.

A borboleta é tão pequena,
frágil, doce e serena,
que merece a proteção
do dono do coração
que ela selecionar.

Como pode em uma fração de segundos
o destino de um homem mudar?
Ao achar uma borboleta que lhe encantou
e que em outros vales não encontrou,
mas nunca deixou de procurar.

A borboleta, tão pequena, tem um nome.
Um nome que não é fácil de esquecer
e tão pouco vou dizê-lo. Mas...
É uma morena de olhos castanhos e cabelos pretos
que fez meu mundo tremer.


Homens

27 de abr de 2010
Deus da costela,
fez a mulher.
Hoje o homem pega a que der,
se não der ainda reclama
e leva quantas puder para a cama.
Hoje o homem quer a mulher como troféus
Exibir para os amigos
e no tribunal dos cafajestes não serem réus.
Óbvio que exceções existem.
Estes são amados como poucos,
rejeitados como muitos.
é quando um assim aparece,
os papéis invertem
e o homem perde o valor.
Safados, cachorros, sem vergonhas
Caras de pau
cafajestes, idiotas, sem moral.
Porque como dizem as mulheres:
- Homem é tudo igual.
que elas menosprezam e tratam com desdém,

Pai

22 de abr de 2010
Pai lembro-me...
Do homem que você era
Compreensivo, atencioso,
Bem que eu queria que fosse assim
Meu pai não era o pai perfeito
Mas tudo tinha outro lado...
Amador, amado.
Pai que saudade,
Que angustia
Ainda pergunto-me o por quê?
Porque você foi?
Porque tinha que ter ido?
Partido assim, tão de repente
Todo o ano seu dia chega
Passa...
E poucos se lembram
Pai tenha certeza
De onde quer que você esteja
Na minha memória
Existem imagens
Das primeiras pedaladas
Do primeiro anzol
Aquelas pescarias em dias de sol
Tenho nossas brincadeiras
Das poucas vezes em que brincamos
Nossas histórias
Das curtas vezes que foram contadas
Nossas lembranças
Dos tempos que poderia ter passado mais vagarosamente
Nossas dúvidas
Que hoje são somente minhas
Pai do que posso culpar-te
Eu não sabia como conversar
Não tinha tempo para te dar
Não te dei opções
E fiquei com poucas soluções
Hoje mais velho e muito arrependido
Às vezes da vontade de chorar pelo tempo perdido
Poderia ter consumido seus sonhos e desejos
Poderia ter aprendido no vale perigoso da vida caminhar
Poderia... Poderia... Poderia...
Pai, super-herói. Educador, rei, guerreiro
Lutador, espada e escudo
O exército e a fortaleza.
Desculpa não ter sido melhor
Mas o que poderia ter sido feito
Nem pai nem filho, eram perfeitos.

Mulheres da sua vida

17 de abr de 2010
Ser mulher é sofrimento
ficar de TPM, ouvir reclamação
lavar a louça
pilotar fogão
mulher não é escrava!
mulher é razão,
minha mãe que o diga
que no seu ventre me deu vida
e razão a sempre de ser
minha amada assim o dirá
quando se revelar
e razão a sempre de ser
minha filha quando nascer
A vida de um homem nada é
se ele nunca descobrir
quão forte é o amor de uma mulher.

Deem título! pode ser?

13 de abr de 2010
Eu prometi esse post a alguém.
Qual a melhor maneira de viver a vida, depois de descobrir que o presente é o tempo certo o interessante é saber como.
Tudo que eu vou escrever daqui até o final deste post se diz em relação a mim, o que eu acho, penso e digo sobre tais assuntos, você pode beber e se embriagar dessa minha fonte de loucuras e intensos pensamentos perturbadores, ou pode simplesmente não gostar e deixar de ler. Um conselho: leia, se não gostar desligue-se..
A vida, coisa louca, alucinada tanto citada em músicas, enfim o que é viver a vida? O que viver?
Eu não tenho as respostas dessas perguntas e pode me chamar de Deus se perceber por um momento que eu sei as respostas. De tudo que tenho certeza essa é a parte mais incerta. A morte é bem mais segura do que a vida é um porto bem mais concreto para se atracar, porque afinal mais cedo ou mais tarde ela vem. A vida já não se sabe. Tem gente que vive, morrendo e que morre vivendo. Parar de viver é morrer. E viver é esquecer que está morrendo. Esse é exatamente nosso primeiro ponto.
Aceitar as coisas
A vida é incerta e imprevisível, a primeira coisa a ser aceita é a morte. Ela é sem dúvida a grande barreira final. Ela chega e se conforme com isso. Como lidar com esse pensamento? Esquecendo dele. Viva antes de morrer.
A segunda trata de relações. Aceitar que os pais serão deixados para trás, a tal sonhada independência que a gente tanto imagina e quando ela realmente chega, não temos certeza se realmente a queremos. Isso é normal, mas os pais têm um papel na terra assim como os filhos isso é uma lei universal. Ame-os, mas não se acorrente a eles. O mesmo digo dos amigos e parentes, todos irão seguir suas vidas e você terá que seguir a sua, todo mundo diz que sabe disso, mas é só um amigo discutir com você ou outro te falar algo que ofenda que você logo sente-se mal e quer discutir a relação. Toda perda gera um ganho, se você ganhou é porque alguém perdeu e vice-versa. Os amigos são assim também, é impossível conservar todos e é extremamente fácil confundir e achar que encontrou a amizade eterna, essa concepção deve ser mudada exatamente para o erro. Permita-se escolher amigos errados e se frustrar com a perda de alguém que você achava ser seu melhor amigo. Aposto que novos e eternos virão e só os verdadeiros permanecerão, independente de brigas, discussões, palavras ditas ou ofensas trocadas.
A terceira trata de sentimentos. Os sentimentos são as coisas (tem outro nome? Não né! pra não chamar de merda vou chamar de coisa), voltando porque você deve ter esquecido porque deu risada. Os sentimentos são as coisas abstratas mais concretas que eu conheço. São tão reais a ponto de ferir o coração como uma bala e de causarem traumatismos cranianos na cabeça corroendo a consciência. Esse é o ponto mais interessante e mais difícil de se lidar em todo o processo vital. Esqueça os sentimentos. Esqueça tudo que já te disseram. Que não é possível controlar o amor (o amor vai ter um post especial para ele, por enquanto é isso), que a tristeza é inevitável etc. isso tudo só é real se você não souber que todo o irreal que te atinge, só te atinge se você permitir. É difícil lidar com isso e aqui vem as criticas ao meu respeito, já ouvi coisas tais como: coração de pedra, insensível, você tem medo de amar etc. Ignore sem ignorar. Porque as vezes você pode estar exagerando e alguém está te alertando, fique atento aos sinais. Controlar as emoções (emoções, e não sentimentos. E NÃO SENTIMENTOS!), é o passo crucial de toda a jornada.
O quarto e último passo trata de sentir. Não estou falando de sentimentos e sim de sensações. Sinta o mundo, as ciências nos dizem o que é vivo e o que não é, e isso é verdade, pedras não tem vida, mas fazem parte dela. O maior estudo aqui vem de você o que realmente pode ser sentido. Os raios solares, não como calor, mas como fonte de vida, a água não com o objetivo de matar a sede, mas de refrescar, o vento, o calor do fogo, a natureza em si e urbanizada possui artifícios que se você parar de olhar um pouco para a destruição do mundo e deixar de lado seu egocentrismo, você pode usar como extensão vital para sentir o que a vida realmente pode oferecer. O errado é pensar que a vida só pulsa em você, a vida pulsa em tudo e em todos, tudo vai depender apenas do seu ponto de vista. E aquilo que você achar que não possui vida, dê vida a ele.

Tempo

12 de abr de 2010
Comecei a pensar sem querer na minha carreira, fiz a maldita pergunta que ninguém realmente quer responder: Como seria minha vida daqui a 10 anos?
Me imaginei tanto, que acabei não chegando em lugar algum. Queria saber a verdadeira resposta para essa pergunta, saber sem ter que me esforçar tanto para fazer por acidentes previsões do que seria meu futuro, mas como pensar em futuro se ele não existe e é tão incerto quanto às areias do deserto que se movem com os ventos todas as noites, deslocando-se, alterando-se e sobrepondo-se sobre os obstáculos todos os dias, parecido conosco não?
Essa coisa cíclica, cheia de idas e vindas é vulgarmente conhecida como vida, entretanto, a vida é totalmente presencial e existem três maneiras de viver. A primeira é lembrando-se do passado, vivendo de histórias, sobrevivendo parda, com medo de mudanças. A segunda é no futuro, tendo sempre uma infinidade de planos, metas e objetivos, sendo um eterno desbravador que busca seus sonhos, ou sonho dos outros. E existe a terceira opção, lembrar e planejar, mas sem nunca esquecer o tempo real. O verdadeiro propósito. Viver.
Quem diz que já passou por tudo e que tem milhões de história para contar sobre amor, aventuras, sofrimentos, superações... Não tem mais o que fazer, viveu tão extremamente que decide inconscientemente parar e se contentar com a hipocrisia de um chá vespertino entre uma roda de amigos para discutir o passado. Isso é reviver. Quem revive encanta, mas desencanta seu próprio viver.
Quem planeja, nunca tem tempo para o presente, vive com a cabeça nas nuvens imaginando o futuro, seu status, seu carro, sua casa, posição no emprego, quantos títulos terá acumulado, enfim, sonha e quem sonha nunca está acordado. Sonhos são bons, alcançá-los melhor ainda, mas deixar coisas relevantes para trás pode ser uma trágica consequencia futura. Porque ao pensar em futuro só pensamos financeiramente e egocentricamente, esquecendo das relações, porque nem só de dinheiro vive o homem e se por um acaso ele tentar viver somente disso, vai fracassar enquanto lhe restar moedas. Amigos são objetos de tamanho e valor igual a qualquer sequência de zeros que você pode ter em sua conta.
Antes de concluir meu raciocínio, sobre o que vai ser do meu futuro, queria dizer que o correto é simples. E o simples é o correto. Temos três tempos espaciais e apenas um para viver, viva o presente, quando algo ou qualquer ação te impedir de aproveitar ao máximo qualquer momento, planeje. E quando estiver cansado ou inseguro, lembre-se de tudo que lhe deu coragem. A vida é uma balança e quem está no meio segurando os pratos é você. Se deixar entrar em desequilíbrio, menos irá soltar os pratos para viver o presente. Lembre-se, os pratos equilibrados significam leveza diretamente ligada a sua consciência. O presente é o equilíbrio entre o que você já fez e o que você ainda quer. E tendo isso você tem tempo para viver.


Juramento

8 de abr de 2010
Se quiser me derrubar, então vem...
Mas vem com fé, muita fé.
Tenho a mente como escuto
E as palavras como espada.
Pode até conseguir me balançar as pernas
Mas não confundir a minha mente.
Se eu cair, aproveite, pise
Se me levantar, sem dizer nada
Você já foi vencido
Pois a minha dignidade é maior que a tua
Qualquer um pode cair muitas vezes
Mas levantar-se como eu, ninguém consegue
E por mais que sua arrogância possa me ferir
E sua agressividade me fazer sangrar
Minha persistência e vontade de viver e ser feliz
Irão sempre manter-me curado
E por mais que você tente
Sempre estarei de pé
E assim vai continuar sendo
Para sempre...

Somos

O que são as palavras nas mãos de um experiente escritor? São textos bem elaborados, poemas, versos, dilemas, paradigmas, controversas, textos segmentados, digitados elaborados a base de projetos definidos em uma mente inteiramente complexa. E o que são as palavras na mão de um garoto desesperadamente com saudade? São... Não. É um desabafo. Expressado pela liberdade de escrever fatos dos quais no mundo real não se é possível enfrentar sozinho. O que é a falta de uma pessoa pra você, para mim, para nós? O que é a saudade? O que somos nós?
A saudade é aquela falta que sentimos das pessoas quando não as vemos, e ela é relativa como o tempo, para uns é um tédio e demorado, onde minutos viram horas, para outros é curto e acelerado, onde horas viram minutos. E a saudade é diferente, torna o tempo longo e curto, demorado e acelerado, esperançoso e desesperado, ela é um segredo dentro das entrelinhas de uma linha imaginária criada para definir sua quantidade. Ela é o reflexo do fio que separa o coração e a mente, a razão e a emoção, e sem fazer o menor esforço, desaparece, tornando esse fio uma mina terrestre que ao menor descuido, explode, gerando um confronto da mistura entre o concreto e o abstrato, o sentimento e a lógica, que é conhecido por nós como Consciência. Que te faz perguntar: Por que você não liga pra ela? Dá noticias? Envia um recado? Uma mensagem? Uma carta? Escreve? Lê aqueles papeis? Busca informações? Faz um esforço? Lembra daquilo que fizeram juntos? Como será que ela está? Será que está bem? Que está mal? Precisando de mim? Ou não? Perguntas essas que te fazem entrar sem querer estar num turbilhão de pensamentos que consistem nos fragmentos mais simples da vida, o cheiro, o toque, o beijo e o olhar fazendo você sentir ainda mais saudade.
E o que nós somos no meio de tudo isso? Somos as pessoas que conhecemos, que falamos, que andamos, somos eu, somos você, somos nós, somos os caminhos, os olhares, os carinhos, os desastres, somos uma sala num mundo de salas, onde cada sala é algo que você viveu, sentiu, chorou, sofreu, é alguém que você conheceu, ajudou, enlouqueceu e amou, é aquilo que você aprendeu e ensinou, é aquilo que você se deixou levar e aquilo que você escolheu. Somos eu, você, nós. Somos Um. Somos todos. Somos um pouco de tudo aquilo que já vivemos...

Bailarina

Parou, respirou, entrou
O holofote nela focou
A platéia se silenciou.
Começou a dançar
Como uma pena
Que flutuava no ar.

Os movimentos seguiam
Como as batidas do coração
O ritmo aumentava
Junto com a tensão.
Sem errar
Terminou sua apresentação.

Na platéia alguém dizia:
- Essas mulheres eu respeito
Vou contar por que
Só não digas que eu minto
Sem saber.
São batalhadoras, verdadeiras guerreiras.
São mulheres como as outras
Que tem sonhos e desejos.
Não são poucas às vezes 
Que os pés machucados ficam
De tanto esforço que elas fazem.
Às vezes dos olhos uma lagrima há de rolar
Por que tem dias que mal podem caminhar.
Sim, são elas dançarinas
As solitárias bailarinas.

Essas mulheres eu respeito
Porque vivem da dor
E dançam por amor.
É pouco o reconhecimento
Mas expressam sentimento
Por aquilo que fazem.
Sim, são essas mulheres que eu respeito
Pela perfeição dos movimentos
Pela magia dos momentos.
Por sua expressão
Esquecem do mundo, dentro de uma apresentação.
E o show sempre tem que continuar
Parou, respirou, entrou
O holofote nela focou
A platéia se silenciou
Começou a dançar
Como uma pena
Que flutuava no ar.

Ab imo corde

2 de abr de 2010
Eu tenho aqueles sonhos
Que se perdem como o vento
E que flutuam como os barcos
Velejando em um oceano
Onde o céu não tem estrelas

E os viajantes não têm coração...
Sou de um mundo
Onde os vivos temem a vida
E caminham sem direção
Para tudo aquilo que lhes é dito
Pela televisão

Já andei pela estrada
Onde o caminho nunca acabava
E o tempo virava ansiedade
Quando olhava para o horizonte
E não se enxergava nada
Eu tenho aquela glória
Que existiu ontem
Que vai existir agora
Onde no meu caminho
Vou deixando história.

Carpe Vita

31 de mar de 2010
Preparem-se senhoras e senhores,
moças e rapazes,
casadas e solteiras.
Os tempos mudaram,
e a vida permanece.
Antes de partir,
e as luzes se apagarem.
Apeguem-se a sorrisos
e se desfaçam da tristeza.
A vida que antes era curta,
hoje é longa e durável,
pra quem sabe a maneira certa de viver.
Cantarolar.
Sorrir.
Chorar.
Acreditar...
E acreditar que o impossivel é tocável
e tão próximo quanto a fé
daquele que acredita em histórias
em sua infância.
E para os descrentes,
infiéis e traiçoeiros, um aviso!
A vida é tanto veneno quanto antídoto,
se você por um acaso resolver se envenenar
Mas, só por um acaso,
saiba quando se curar,
antes que a vida venha a te matar.
E quando curado estiver torne do veneno beber.
Ficando assim, oscilante entre a loucura e a sanidade,
nunca se contentando com conformidade
buscando sempre mudar a atual realidade.

Reflexões

28 de mar de 2010
Quem nunca pensou em desistir?
Fugir, escapar daqui?
Esquecer o que é tristeza e traição,
parar de travar batalhas em vão.
Quem nunca cansou de enfrentar tempestades?
Entrar inteiro e sair em metades.
Nunca parar de subir as escadas
para superar as dificuldades.
Quem nunca quis não ter perdido?
Que este alguém não tivesse partido?
Por alguma razão achar que é um castigo
e que se fosse diferente poderia estar comigo.
Quem nunca quis odiar o amor?
Desejar nunca ter sentido a dor
de ter conhecido a decepção
Enfim, superar mais uma ilusão.
Quem nunca pensou em desistir?
Fugir, escapar daqui.
Para um lugar distante
onde ninguém te alcance.
Onde você possa desejar
que a felicidade venha te encontrar...
Quem nunca desejou ser feliz
sem ter que a vida enfrentar?
Mas isso não é uma opção,
a vida não pede a sua opinião.
Ela não quer que você sempre diga
que quando as coisas acontecem
A culpa é da vida.
Porque se você perguntar, o que ela é?
Ficará sem resposta.
A vida não é um livro qualquer
que pode ser posto a mostra.
Não tente entender.
Não são autobiografias que irão dizer
o que foi viver.
A vida sempre será,
algo além daquilo, que você acreditava ser.

Amor = Ação e reação

19 de mar de 2010
Amor é esquecer as diferenças,
É aceitar e ser aceito.
Entender e ser entendido,
O curar de um ferido,
O levantar de um caído.
Abraçar e ser abraçado,
Nunca deixar de ser consolado,
É temer, mas, nunca desistir,
O fazer alguém sorrir.
Beijar e ser beijado,
Um fogo que nunca é apagado.
Compreender e ser compreendido,
O nunca ser esquecido,
Perdoar e ser perdoado,
Dar uma chance ao amado.
Amor é amar e ser amado.
É a necessidade de uma companhia,
Aquela ansiedade todo dia,
De esperar o telefone tocar,
Só pra poder dizer:
- Como é bom te amar.
Amor o sentimento do silêncio,
Que entre beijos e abraços nos consome.
Amor que pode curar a dor
Que engana a tristeza e, às vezes até afasta.
Amor que esquenta coração
Que ilude a ilusão.
Amor que define o calor,
Que se revela quando nos beijamos.
Amor o ser indefinido,
Que realiza nossos desejos,
E habita em nossos destinos.

Desventuras de uma noite de insônia Part. III

8 de mar de 2010
Não me responsabilizo mais pelos meus atos daqui em diante, pois aquela velha brincadeira de explorador havia começado e eu tinha que tomar o controle da situação, não sabia quanto tempo ia durar. As mãos percorriam o corpo como se ele fosse feito única e exclusivamente pra isso, iam da nuca as pernas, das pernas ao abdômen. Entravam, saiam dos cabelos, puxava, apertava, um toque mais leve um toque mais firme, com se a vitima até então assim conhecida, se tornasse por um instante o predador e um abraço apertado cerrado nas costelas, foi o golpe final.
Senti que ela se entregara e um olhar foi o código para que as roupas começassem a ser arrancadas como se a existência de mangas e golas fosse desnecessária. Calças, blusas e camisetas surradas, moídas e espalhadas pelo quarto. Agora não me importava mais com as fraseologias ou com as questões, o ela, estava ali e isso era suficiente. Em um golpe voraz ela me viu por cima dela e com seu sorriso sem jeito agora carimbado em sua face, teve certeza de que não teria como sair dali e nem parecia querer fazê-lo. Uma última olhada e um último beijo marcaram o início da consumação carnal, a sincronia dos movimentos, os gemidos a satisfação... Algo pairava pelo ar e o desejo transpirava pelo nosso suor. Os minutos de descanso se reservavam entre as trocas de posição e o jogo continuava. Os cabelos, tanto os meus quanto os dela, agora estavam encharcados de suor e que hora sim, hora não sofriam alguns puxões. As bocas se tocavam, deslizavam até o pescoço, orelha, pescoço, queixo e boca, mordia, lambia, a barba roçava, assoprava e respirava e cada sensação transfigurava-se em uma cadeia de arrepios incontroláveis que começavam na nuca e sabia-se lá onde acabavam.
O estado agora era de puro êxtase. A nirvana. Inconscientes, inconsistentes e embriagados pelo deleite do momento, continuavam a fazer o tão marginalizado ato de contemplação mutua até o seu limite, quando em uma fração de segundas o desejo e a paixão se fundiram com todos os sentimentos presentes explodindo em um único e estrondoso suspiro. Ali deitado, eu sem resposta e ela ainda tremendo, com guerreiro puxando a espada para uma vez atacar agora recolhia-a como um escudo a envolvendo em meus braços, apertando-a forte para que sentisse que eu ainda estava ali e estava inteiramente com ela.
De repente acordei com meu velho celular despertando e me dei conta de que tinha cochilado e que só se passara uma hora desde que eu fora me deitar, o relógio então marcara 01:55 e eu não sabia se ainda essa noite iria vê-la novamente. Aquelas velhas fraseologias voltaram em questão para me lembrar se com a interrupção da minha inquieta mente , o ela, seria alguém? O alguém, seria você?


Leia Também
Desventuras de uma noite de insônia Part. I
Desventuras de uma noite de insônia Part. II

Desventuras de uma noite de insônia Part. II

26 de fev de 2010
Já era noite e sentia aquela sensação de que não seria uma das mais fáceis e não estava enganado, pois tudo que me lembro, foi de ter bebido algo para conseguir dormir em paz. O som da minha porta abrindo, o ededron se mexendo e a respiração ofegante. Tudo aconteceu tão rápido como um sedativo, apaguei e mesmo não possuindo a capacidade de sonhar com freqüência não sei dizer ao certo se foi realidade, um sonho ou apenas minha imaginação.
Despertei assustado, o relógio apontava 00:55, voltei a me deitar quando estava prestes a adormecer senti um perfume, o doce cheiro de um veneno mortal que estava ali em algum lugar esperando para mostrar sua face. Pela fenda da porta vi aqueles olhos brilhantes como duas estrelas, se aproximavam e a cada passo eu conseguia ver um pouco mais, o contorno de seus lábios, agora tão próximos e convidativos. E eu com dúvida se devia ou não fazer o que eles me pediam, mas eu precisava. O silêncio afiado como uma navalha transitava pelo quarto e ela usando todo seu poder feminino, toda sedução e magia para seduzir quem já estava seduzido. Com um passo leve e sorrateiro aproximou-se e sentou-se na beirada da cama, não sei dizer o que ela queria, mas aqueles olhos suplicavam algo, a menina estava tão cansada quanto eu da realidade.
Senti a mão dela inquieta, invadindo o que eu chamaria de meu espaço, se adentrando e tomando todo um lado da cama com seu corpo tão perfeito quanto as peças de um quebra cabeça, que só se encaixam em seus devidos lugares. Eis a minha peça, minha morena. Que nessa altura da conversa já me entrelaçara em seus braços e sua respiração ofegava em minha nuca, cheia de desejos e segundas intenções. Despercebido e tão envolvido no momento, que quando em dei conta ela estava em cima de mim. Seus cabelos caindo por todos os lados formando uma cortina entre eu, ela e o resto do mundo. O único brilho que vira vinha de seu olhar, as únicas coisas que sentia eram as batidas do seu coração colado ao meu e a sua respiração a milímetros da minha boca. E foi entre essa desventura imaginária e uma retomada de consciência que ela me beijou. Daí então os dados rolaram e o jogo começou.


Continua...

Homem Perfeito

24 de fev de 2010
Ei garotas! Fechem os olhos,
respirem fundo.
Imaginem o homem perfeito.
Aquele que cuida de você
e faz tudo pra te ver sorrir.
Aquele que em noites de solidão
vem pra ficar ao seu lado,
que em momentos de angustia
aparece pra segurar a sua mão.
Homem esse dedicado e cavalheiro,
que abre a porta para você,
que caminha do lado certo da rua,
em uma escada sobe atrás e desce na frente
só pra te amparar se você por algum deslize escorregar.
Imaginem esse homem!
Lembrem dos seus sonhos de criança,
a fantasia, o romance.
Ele que chega com um buquê,
fica acordado só pra ver você dormir,
faz uma surpresa inesperada,
anda sempre abraçado.
E quando segura sua mão
aperta de um jeito tão forte e delicado,
como se estivesse pronto pra te segurar
se caso decidisse partir.
E se partisse,
numa longa despedida ele se despedisse?
Indo e voltando, voltando e indo.
Na esperança de sempre mais um beijo roubar.
Não se esqueçam"
O homem perfeito
Tem como maior qualidade o respeito:
Respeito de nunca gritar.
Respeito de nunca agredir.
Respeito de nunca o espaço invadir.
Homem perfeito, feito homem
que saiba a mulher conquistar,
destemido seja
e esteja pronto para amar.
Homem perfeito, para a razão dos homens
de a mulher proteger,
em seus braços a aquecer.
Que ele possa te amar em todas as suas fases,
De manhã quando acorda,
a tarde quando trabalha 
e a noite quando se arruma para sair.
Homem esse que vocês pensam não existir,
está logo aí, na sua frente,
esperando um sorriso seu.
Pra que mais uma vez ele tente,
de um jeito diferente te mostrar,
Que está pronto pra te amar.

Embaraça-me

22 de fev de 2010
Vou-lhes contar uma história,
não uma história qualquer.
Daquelas que fica para sempre na memória,
pois trata-se de uma mulher.
Mulher...
de olhos vivos, brilhantes.
De longe instigantes, fulminantes.
Meu coração pequeno palpitante
me deixa assim hesitante.
Cabelo macio,
embaraça-me em fios
com todo amor 
que tiver para dar.
Sorriso misterioso, impreciso.
Cheio de malícia, ficção.
Me deixa indeciso
perante uma convicção,
tornando-se assim indefinido.
E para todas as coisas indefinidas,
possibilidades infinitas.
Agora perto do final...
Se entrega afinal,
mulher ideal.
Escultura perfeita
para o pecado feita.
Me espera deitada.
Deito-me do seu lado.
Sinta-se beijada...
Sem frio... calafrio.
Sem febre... suando frio.
Arrepio.
O toque quente,
o corpo incandescente.
Roupas no chão,
a dor e o tesão.
O cabelo enrolado nas mãos,
no pescoço... as mordidas.
Nas costas... os arranhões.
Sussurros no ouvido,
nas pálpebras palpitações,
uma mesma batida
de dois corações.
 
Bang Bang Escrevi | Todo conteúdo está sob a proteção da licença Creative Commons 3.0.