Somos | Bang Bang Escrevi

Somos

8 de abr de 2010
O que são as palavras nas mãos de um experiente escritor? São textos bem elaborados, poemas, versos, dilemas, paradigmas, controversas, textos segmentados, digitados elaborados a base de projetos definidos em uma mente inteiramente complexa. E o que são as palavras na mão de um garoto desesperadamente com saudade? São... Não. É um desabafo. Expressado pela liberdade de escrever fatos dos quais no mundo real não se é possível enfrentar sozinho. O que é a falta de uma pessoa pra você, para mim, para nós? O que é a saudade? O que somos nós?
A saudade é aquela falta que sentimos das pessoas quando não as vemos, e ela é relativa como o tempo, para uns é um tédio e demorado, onde minutos viram horas, para outros é curto e acelerado, onde horas viram minutos. E a saudade é diferente, torna o tempo longo e curto, demorado e acelerado, esperançoso e desesperado, ela é um segredo dentro das entrelinhas de uma linha imaginária criada para definir sua quantidade. Ela é o reflexo do fio que separa o coração e a mente, a razão e a emoção, e sem fazer o menor esforço, desaparece, tornando esse fio uma mina terrestre que ao menor descuido, explode, gerando um confronto da mistura entre o concreto e o abstrato, o sentimento e a lógica, que é conhecido por nós como Consciência. Que te faz perguntar: Por que você não liga pra ela? Dá noticias? Envia um recado? Uma mensagem? Uma carta? Escreve? Lê aqueles papeis? Busca informações? Faz um esforço? Lembra daquilo que fizeram juntos? Como será que ela está? Será que está bem? Que está mal? Precisando de mim? Ou não? Perguntas essas que te fazem entrar sem querer estar num turbilhão de pensamentos que consistem nos fragmentos mais simples da vida, o cheiro, o toque, o beijo e o olhar fazendo você sentir ainda mais saudade.
E o que nós somos no meio de tudo isso? Somos as pessoas que conhecemos, que falamos, que andamos, somos eu, somos você, somos nós, somos os caminhos, os olhares, os carinhos, os desastres, somos uma sala num mundo de salas, onde cada sala é algo que você viveu, sentiu, chorou, sofreu, é alguém que você conheceu, ajudou, enlouqueceu e amou, é aquilo que você aprendeu e ensinou, é aquilo que você se deixou levar e aquilo que você escolheu. Somos eu, você, nós. Somos Um. Somos todos. Somos um pouco de tudo aquilo que já vivemos...
Victor Candiani

Uma pessoa que gasta muito tempo com livros, filmes e séries.

Comentários
0 Comentários
Deixe seu comentário
Postar um comentário

 
Bang Bang Escrevi | Todo conteúdo está sob a proteção da licença Creative Commons 3.0.