Crítica | Hobbit: A Desolação de Smaug | Bang Bang Escrevi

Crítica | Hobbit: A Desolação de Smaug

17 de dez de 2013
Vem conferir a crítica.

Hobbit está se tornando uma enorme saga... Acredito que no final do terceiro filme será só colocar Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel e continuar assistindo sem se preocupar com a vida. Como não tenho anos de experiência em Hobbit ou nas obras do Tolkien vou evitar falar besteiras de como isso leva para aquilo e vice e versa. Mas um dos anões é o pai do Gimli.

A qualidade dos cenários é espetacular, de encher os olhos tanto os fechados como os abertos e as cenas dentro de Erebor são sensacionais. O destaque que o Dragão Smaug ganhou é supremo assim como Erebor já que Smaug consegue se locomover pelo reino dos anões como se fosse uma lagartixa. Sem falar na qualidade da computação gráfica no Smaug, que pouco parece artificial, aliás de artificial só tem uma cena rídicula, que ficou muito na cara, a do Legolas saindo da Cidade do Lago de cavalo. Ficou feio em Peter.

Assim como a magnitude de Smaug é a interpretação de Martin Freeman como Bilbo Baggins, ele consegue ser assustador e cômico em uma fração de segundos e mostrou-se um hábil mentiroso na sua conversa com Smaug em uma das melhores sequências do filme. Acredito que o objetivo de roubar a pedra Arken tenha sido concretizado e lendo os enredos tive mais certeza disso, mas o fato do Bilbo não ter se preocupado mais em pegá-la é que me deu a certeza durante a sessão.

Vamos acrescentar salvas gloriosas a linda Tauriel, criada especialmente para o filme e a inserção do Legolas que não aparece na história original, licença poética é o nome disso e pra mim acrescentou demais ao filme, a história da elfa com o anão Kili talvez tenha forçado um romance, mas o que é um romance em meio a imensidão de coisas que acontecem na Terra-média ao mesmo tempo? Sem falar naquele sentimento de "Hum... essa elfa curte um anão".

Li duas críticas até agora e como não li o livro ou sou "letrado" no universo de Tolkien, como os seus fãs acreditam que sejam, sou imparcial em analisar o filme, por isso adorei tudo e concordo com a crítica do Omelete que diz que o tema desse filme é a cobiça. Por isso disse que Bilbo pode transformar-se em um personagem assustador, tudo isso por conta da influência do Um Anel. A segunda crítica destruiu o filme de tal forma que nem vale a pena comentar, não sei o que o autor esperava ver no filme ou porque ficou tão irritado com o final inesperado e a falta de uma conclusão.

Pra mim ficou óbvio que A Desolação de Smaug é o filme do meio, tal como que o livro poderia ser dividido em dois, ao invés de três filmes, mas e dai? É um roteiro bom, com qualidade já conhecida e que vai com certeza divertir você, então qual o problema do filme ser longo ou de ser uma trilogia? Nenhum, só que tem gente que fica nervosa, porque não sabe esperar.

The Hobbit - The Desolation of Smaug 
Nova Zelândia , 2013 - 161 min.
Fantasia
Direção:
Peter Jackson
Roteiro:
Peter Jackson, Philippa Boyens, Fran Walsh, Guillermo del Toro
Elenco:
Martin Freeman, Ian McKellen, Richard Armitage, Luke Evans, Stephen Fry, Benedict Cumberbatch, James Nesbitt, Adam Brown, Aidan Turner, Dean O'Gorman, Graham McTavish, John Callen, Stephen Hunter, Mark Hadlow, Manu Bennett, Peter Hambleton, Ken Stott, Jed Brophy, William Kircher, Jeffrey Thomas, Mike Mizrahi, Sylvester McCoy, Lee Pace, Barry Humphries


Leia mais sobre Cinema
Victor Candiani

Uma pessoa que gasta muito tempo com livros, filmes e séries.

Comentários
0 Comentários
Deixe seu comentário
Postar um comentário

 
Bang Bang Escrevi | Todo conteúdo está sob a proteção da licença Creative Commons 3.0.