Resenha | O Festim de Corvos, George R.R. Martin | Bang Bang Escrevi

Resenha | O Festim de Corvos, George R.R. Martin

13 de fev de 2014
Título Original: A Feast for Crows
Saga: AS Crônicas de Gelo e Fogo
Autor: George R.R. Martin
I.S.B.N.: 9788580443769
Altura: 24 cm.
Largura: 17 cm.
Edição : 1 / 2012
Tradução: Jorge Candeias
Número de Paginas : 644
Editora:  LeYa
Avaliação:

Precisa falar que tem spoilers? Mesmo assim o número ainda será menor do que o que você pode conseguir assistindo a série. O livro anterior foi um divisor de águas, definiu quem era honrado e quem não era, quem morreu e quem vive. Esse já é mais do estilo "Meio da História", depois de passadas as batalhas, agora, vamos recolher os corpos e voltar para a casa, ficar com a esposa, talvez fazer outro herdeiro. Vamos calcular o que perdemos, cumprir as promessas feitas, nos preparar para o inverno, que está chegando, e sossegar.

Porém, distante da ação de Fúria dos Reis, outros núcleos chegaram com revelações assustadoras para o Dança dos Dragões. Temos Dorne para vingar Oberyn, os Homens de Ferro para conquistar Westeros. Enquanto Porto Real se afunda na mão de Cersei, Samwell viaja pelos mares e Brienne caça Sansa. Uma das melhores coisas é que o livro termina exatamente onde começou, em Vila Velha. Como o próprio Martin explica, os livros 4 e 5 passam-se dentro de um mesmo período da história, centrados em localidades diferentes, então pouco temos de Bran, Tyrion, Daenerys, Jon etc. e o fato que mais comprova o quarto ser um "meio de história" é a falta de um epílogo.

Outra coisa que percebi nesse livro é a semelhança de Bravos com Veneza, canais, embarcações e uma cidade regada de entretenimento, múltiplas crenças e diversas línguas, assim como Marco Polo acreditava. Porém notei a falta de algumas referências nos mapas que são citadas e não aparecem nos desse livro, mas sim no próximo, como a Lagoa da Donzela. E também, as diferenças entre os povos, tanto os homens de ferro como pescadores e sua crença no Deus Afogado, como a sua fé em relação a situação ou vai ou racha "o que está morto, não pode morrer". Bem como a divisão étnica de Westeros que deixa os dorneses com a pele mais escura do quem e dos trópicos ou nortenhos. Isso é um cuidado extraordinário do nosso Martin.

Se gostei do livro? É Martin não é? então, é óbvio que gostei, mas não tanto quanto os outros e justifico o motivo pelo mesmo caminho que a resenha vem seguindo... É um "meio da história", muito mais arrastado que os anteriores e que possui suas vantagens, o livro tem um final Cliffhanger - Na beira do abismo, pulo ou não pulo? - para muitos personagens, onde a ação chegou ao clímax e recebe o corte seco - tramontina - do Martin e ficamos no aguardo para desenvolvimento. Não pelo Cliffhanger, mas pelo arrastado da história esse levou 4 estrelas.

E como estamos falando do final e das conclusões, muita coisa ficou em aberto e vamos ver como vai seguir talvez nos Ventos do Inverno, mas de adiantando, muitos personagens ficaram extremamente melhores e outros nem tanto, outros ganharam o beijo da vida e retornaram e outros tantos deixaram de existir - ninguém muito importante, até então -, fazer o quê? Se o As Crônicas de Gelo e Fogo são assim. Ansioso pelo próximo volume e indico que ele seja lido antes da estreia da série dia 6 de abril, uma vez que, a progressão da história é linear e eles mesclam os eventos do quarto e quinto livro, para não darem sumiço nos personagens.

Uma boa quote pra terminar a história: "A guerra transforma todos nós em monstros".

Sinopse

Continuando a saga mais ambiciosa e imaginativa desde “O Senhor dos Anéis”, “As Crônicas de Gelo” e “Fogo” prosseguem após o violento triunfo dos traidores. Enquanto os senhores do Norte lutam incessantemente uns contra os outros e os Homens de Ferro estão prestes a emergir como uma força implacável, a rainha regente Cersei tenta manter intacta a força dos leões em Porto Real. Os jovens lobos, sedentos por vingança, estão dispersos pela terra, cada um envolvido no perigoso jogo dos tronos. Arya abandonou Westeros rumo a Bravos, Bran desapareceu na vastidão enigmática para além da Muralha, Sansa está nas mãos do ambicioso e maquiavélico Mindinho, Jon Snow foi proclamado comandante da Muralha mas tem que enfrentar a vontade férrea do rei Stannis e, no meio de toda a intriga, começam a surgir histórias do outro lado do mar sobre dragões vivos e fogo... Quando Euron Greyjoy consegue ser escolhido como rei das Ilhas de Ferro não são só as ilhas que tremem. “O Olho de Corvo” tem o objetivo declarado de conquistar Westeros. E o seu povo parece acreditar nele. Mas será ele capaz? Em Porto Real, Cersei enreda-se cada vez mais nas teias da corte. Desprovida do apoio da família, e rodeada por um conselho que ela própria considera incapaz, é ainda confrontada com a presença ameaçadora de uma nova corrente militante da Fé. Como se desvencilhará de tal enredo?
Victor Candiani

Uma pessoa que gasta muito tempo com livros, filmes e séries.

Comentários
0 Comentários
Deixe seu comentário
Postar um comentário

 
Bang Bang Escrevi | Todo conteúdo está sob a proteção da licença Creative Commons 3.0.