Resenha | O Hobbit, J.R.R. Tolkien | Bang Bang Escrevi

Resenha | O Hobbit, J.R.R. Tolkien

30 de jun de 2014
Título Original: The Hobbit
Autor: J.R.R. Tolkien
ISBN: 9788578277109
Formato: 13,00 X 20,50
Edição: 7ª EDIÇÃO - 2013
Tradução: Lenita Maria Rímoli Esteves
Número de Paginas : 328
Editora:  WMF Martins Fontes
Avaliação:

Tem certos livros, que na rede, não existe mais espaço para uma nova resenha, são esses livros, aqueles que todos já leram, ou mentem que leram, que fazem a diferença para a literatura mundial, separando o joio do trigo. Claro, que "O Hobbit", do ilustre, J.R.R. Tolkien é um desses livros, ao lado de milhares de outros clássicos que servem de inspiração para jovens e adultos em todas as idades. Porém, esquecendo a falta de espaço, vamos falar descaradamente de Hobbit aqui, hoje.

Vamos começar pela impressão que o livro passa. Hobbit é aquele livro que você já pega com medo... "Nossa, Hobbit, Tolkien... E agora?" Besteira, o livro é lindo e tem uma história inspiradora. Durante toda a leitura, e pelas divisões dos capítulos eu tive a impressão que Hobbit não é uma história para ser lida, e sim contada. Sabe, aquela impressão que você tem de que: "Nossa, eu deveria estar lendo isso para alguém..." Toda a sonoridade, o drama, as paradas e twists durante a leitura remetem a gestos e mudanças de vozes que poderiam dar mais vida à história. É realmente lindo. Aquele livro que a pessoa lê e pensa: "Se eu tivesse um filho, seria essa a história que leria para ele".

E essa história de filho que ganharia uma leitura é o que pareceu embalar Tolkien, porque, novamente, na minha impressão, O Hobbit é uma leitura para crianças. Se pensarmos que o livro foi escrito em 1937, conseguimos imaginar crianças lendo uma história épica como a do livro. Atualmente, o mesmo acontece com outras histórias, como Jogos Vorazes, Divergente, Percy Jackson entre tantas outras. Quanto ao transcorrer da história, quase tudo flui naturalmente, apenas em um momento ou outro, que acontecem coisas do nada, o que no filme é corrigido, e você pode ler mais sobre isso na crítica que fiz antes de postar a resenha do livro.

O Hobbit é tão mágico que assim que decidi lê-lo, não consegui. Nas primeira páginas tem uma introdução do idioma dos anões e tal. E me empolguei em traduzir a mensagem e identificar todas as letras do alfabeto, só depois que consegui, que percebi que eram mais de 2 da madrugada e fui dormir. :) Tenho que dizer também, que foi a minha namorada linda, que amo mais do que tudo nesse mundo, que me deuo livro, se não disser ela briga.

Já disse aqui que O Hobbit é um livro para crianças, que a história dá a sensação de que deveria ser contada, e tudo isso fica claro no final do livro, advinha o por quê? Temos uma moral da história! Que ao meu entender é: Não importa o seu tamanho, e às vezes, isso pode até ser uma vantagem, mas se for humilde e tiver boa intenção, pode fazer toda a diferença, independente do tamanho da confusão.

É isso fellas, espero que tenham gostado e leiam O Hobbit para seus filhos.

Cumprindo com o prometido no final da crítica de ontem, hoje saiu a resenha, agora vou rever A Desolação de Smaug, pra fazer um comentário geral dos filmes em relação ao livro e o que espero de A Batalha dos Cinco Exércitos.

Leia Também:
De "O Hobbit: Lá e de Volta Outra vez" para "O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos"
Crítica | O Hobbit: Uma Jornada Inesperada
Crítica | O Hobbit: A Desolação de Smaug

Leia mais Resenhas
Victor Candiani

Uma pessoa que gasta muito tempo com livros, filmes e séries.

Comentários
0 Comentários
Deixe seu comentário
Postar um comentário

 
Bang Bang Escrevi | Todo conteúdo está sob a proteção da licença Creative Commons 3.0.